Nossas Noticias

Da paixão a realização: Evandro Pscheidt está construindo um avião em São Bento do Sul

SÃO BENTO DO SUL. Evandro Pscheidt é natural de São Bento do Sul e técnico em manutenção da Tecmatic. Casado e com filhos ele teria o perfil de um cidadão comum não fosse a paixão pela aviação, que começou quando era apenas um menino brincando de avião e ficou mais forte quando por volta dos 23 anos conheceu o aeromodelismo e construiu um aeromodelo através de um projeto que veio em anexo na revista Hangar.

Continua depois do anúncio
E a paixão do menino e jovem que sempre ficava atento quanto ouvia o barulho de um avião, levou-a a um caminho ainda mais desafiador. Depois de obter habilitação e toda a documentação para pilotar ultraleves como esportista, Evandro foi se aprofundando nos conhecimentos técnicos não só recorrendo aos livros mas também trocando experiências com outros apaixonados pelo aeromodelismo. “Comecei a frequentar um clube em Joinville (SC) e lá conheci o pessoal que me ensinou a voar mesmo. Daí acabei me tornando um dos precursores do aeromodelismo em São Bento do Sul”.
Continua depois do anúncio
Mas os feitos de Evandro não param por aí. Pelo contrário, vão muito além. Há cerca de 5 anos ele conheceu os integrantes do Aeroclube de Rio Negrinho e logo passou a fazer parte do grupo. A partir daí passou para outra área da aviação, denominada aviação experimental. E, pasme, começou a construir um avião! Mas não trata-se de um avião que já vem com peças prontas para o encaixe, como num brinquedo. Conforme Pscheidt, a história da construção do seu avião é muito mais desafiante.   “Comprei um projeto do engenheiro Altair Coelho, um gaúcho, que idealizou o AC12, um ultraleve rápido, com capacidade de velocidade de voo de 200 km/h e autonomia de 4 horas de vôo”, descreveu.
Continua depois do anúncio
Evandro também explicou que na aviação experimental apesar do nome “experimental”, as exigências são muitas. “Exige muito cuidado também. Porque a pessoa tem que voar acompanhada, pode voar só em lugares permitidos,…enfim, saber o que está fazendo mesmo”. Paciente e sistemático (muito!), Evandro contou que até este momento foram cerca de 380 horas trabalhadas no projeto. Fora investimentos de cerca de R$ 30 mil. “Cada projeto depende do quanto a pessoa tem de disponibilidade para investir. Eu me impus um limite de R$ 50 mil mas dá pra investir R$ 200 mil por exemplo”.
Continua depois do anúncio
O padrão da aviação experimental não permite que alguém fabrique modelos em série mas permite que o comprador do projeto possa vender o avião fabricado depois de um tempo determinado. Mas esse não é o plano de Evandro no momento. “Claro que depois de pronta, a máquina agrega valor. Mas minha ideia é usufruir bastante. Vou voar até onde meus documentos permitirem”. E o avião, apesar de não ter uma data certa para o primeiro voo, tem nome e local para os futuros testes. “Escolhi o prefixo PU LPE (uma integração das iniciais do meu nome e do meu filho)e  vou decolar com ele direto do aeroclube de Rio Negrinho”, contou Pscheidt. Também engana-se quem pensa que é “só” comprar o projeto, “fazer e sair voando”. O processo de fabricação envolve várias fases e técnicos. “O projeto é assinado por um engenheiro. No meu caso o engenheiro que fez o projeto faleceu mas passou os direitos para um segundo engenheiro, que acompanha a construção. Fora ele tem mais dois engenheiros que acompanham a execução do projeto e depois de uma avaliação final emitem a autorização de vôo”.
Continua depois do anúncio
Evandro nem terminou ainda seu primeiro avião mas nossa reportagem não poderia deixar de fazer uma pergunta: depois desse vem mais algum? Pscheidt disse que a primeira ideia é curtir o primeiro, mas claro, com o tempo ir construindo outros. Sobre as vantagens da aviação experimental, ele citou como a principal o fato da modalidade permitir o trabalho com uma série de materiais como o motor do Subaru Legacy, que garantiu ter comprado barato. Além do item automotivo acessível outros materiais são indispensáveis segundo ele: freijó (estilo da madeira), compensado naval para encapar o avião e cola epóxi especial que não desmancha com a água. “Os itens mais básicos facilitam bastante mas fora isso é preciso lembrar que tem outros equipamentos indispensáveis e que tem seu valor agregado. O GPS, por exemplo, você precisa ter um legal; também o rádio de aviação que é o item mais caro depois da construção e o Transponder, que é o equipamento obrigatório que permite que você seja identificado quando está no ar”. Além das quase 400 horas dedicadas exclusivamente na oficina, construindo o avião, Pscheidt acumula também muitas horas de pesquisa, contatos e viagens por diversos estados do Brasil. Questionado se em algum momento chegou a “travar” diante do desafio,ele disse que sim. Mas nada que uma boa “respirada”não o tenha feito retomar o trabalho. “Quando você começa não tem noção do que vai enfrentar. Porque você tem uma planta que te mostra o geral mas tem momentos que você trava mesmo. É aí que tem que ir estudando, trocando idéias, informações e outras experiências com pessoas que já executaram obras como essas. A gente aprende muito e conforme o tempo vai passando os problemas vão ficando menores”.      ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram