Nossas Noticias

Coordenador do Procon de Rio Negrinho fala sobre o atendimento à comunidade e dá dicas para compras de material escolar

RIO NEGRINHO. O jovem advogado Àllan Ratzkob foi o escolhido pela nova gestão para assumir os trabalhos no Procon de Rio Negrinho. Com 26 anos, ele é graduado em Direito pela Universidade da Região de Joinville (Univille) e atua na área jurídica há quatro anos. Conforme Àllan, a condução dos trabalhos no Procon será pautada no auxílio à comunidade. “Atuar como coordenador do Procon significa atender diariamente o consumidor e o cidadão rio-negrinhense. Conduzirei os trabalhos prestando um atendimento justo e igualitário, prezando por uma maior segurança na relação de consumo de cada consumidor”, cita. O coordenador comenta que a demanda na pasta é alta, sendo as reclamações com telefonia as mais frequentes. “Infelizmente há anos o Procon vem recebendo reclamações reiteradas, estando em primeiro lugar as reclamações de telefonia, em segundo lugar as reclamações de internet e em terceiro as reclamações de operadoras de canais pagos de televisão. Verifica-se que as principais reclamações tratam-se de contratos de adesão, onde o consumidor “adere” a um contrato pré-estipulado com cláusulas pré-fixadas, daí a importância de solicitar o contrato antes de contratar o serviço”, falou. Com ele trabalham mais três estagiários e uma auxiliar de serviços gerais. “O atendimento preliminar é realizado pelos estagiários sob supervisão do coordenador. O atendimento preliminar consiste em uma tentativa consensual de solucionar a reclamação do consumidor através de contato telefônico ou esclarecendo dúvidas pertinentes. Infrutífero o atendimento preliminar, o Procon notifica a reclamada através da CIP (Carta de Informação Preliminar) que poderá responder a reclamação no prazo legal. Na ausência de resposta ou caso não seja solucionada a reclamação, poderá ser realizada audiência buscando a solução do litígio”, explica. Compra de materiais Com a aproximação do retorno das aulas, Àllan orienta aos pais sobre a pesquisa antes de comprar os materiais dos filhos. “No início do ano, com a volta às aulas, é frequente a busca de material escolar. Uma dica importante é realizar uma pesquisa de preços antes da compra, pois, segundo pesquisa realizada pelo Procon de Santa Catarina, o preço do material escolar pode variar até 699% entre produtos similares”, disse o advogado. “Lembrando que os pais devem ficar atentos aos itens solicitados pelas instituições, pois não é obrigação dos pais fornecer ao aluno produtos como álcool, lenços descartáveis, copos plásticos ou medicamentos”, completou. Os atendimentos ao público são realizados das 8h às 11h e das 13h às 16h30, de segunda à sexta feira. Promoções ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram