Geral

Acusação de negligência médica em Rio Negrinho: direção da Fundação Hospitalar garante que vai apurar os fatos

|

RIO NEGRINHO. Nesta semana nossa reportagem foi procurada por Isa Dlugosz. Ela contou que estava grávida de 37 semanas e foi à  maternidade da Fundação Hospitalar porque estava com perda de líquido e contrações.

Conforme Isa o médico que a atendeu não quis fazer uma cesariana naquele momento e teria dito que o líquido era urina e que faltava muito para o bebê nascer.

Mas, segundo Isa, ela acabou sendo internada  para tratar de infecção urinária, tendo ficado no hospital entre os dias dia 25 e 28 de outubro, tomando medicamentos fortes.

Continua depois do anúncio 

No dia 29 ela contou que não sentiu sua  bebê se mexer e voltou para a maternidade.

“Lá, o mesmo médico alegou estar tudo bem e voltou a dizer debochado que faltava muito para nascer”, declarou. 

Na quarta (30), Isa disse que  tinha consulta com a médica que a vinha acompanhando durante o pré natal e que  como ela já não ouviu os batimentos cardíacos do bebê a  encaminhou com urgência para a maternidade.

” Chegando lá fizeram ultrassom e minha filha já estava há 2 dias sem vida”,lamentou. 

Continua depois do anúncio 

 

A mãe disse que ela e seu marido, Dionei Gonçalves de Lima, estão revoltados com a situação.

“Esse não será o último caso se ninguém  tomar uma atitude”, desabafou.

Ela informou também que o casal já denunciou o caso para a ouvidoria da Fundação Hospitalar além de registrar um boletim de ocorrência na Delegacia.

” E vamos entrar com um processo judicial”, adiantou.

O QUE DIZ A FUNDAÇÃO HOSPITALAR 

Continua depois do anúncio 

A reportagem do Nossas Notícias entrou em contato com a direção do hospital, que respondeu em nota oficial, conforme segue.

“Essa paciente foi atendida no hospital e realizou registro de ouvidoria.

Por esta ouvidoria envolver aspectos técnicos da assistência, a mesma será avaliada pela direção técnica, inclusive com análise de registros médicos e caso necessário serão ouvidos tbm os profissionais envolvidos.

Neste caso é necessário a avaliação com toda cautela para que se possa dar o retorno à paciente da ouvidoria em questão.

Este assunto está sendo tratado com bastante zelo e esta resposta será dada a paciente depois de toda avaliação técnica que o caso exige na maior brevidade possível.

Portanto, neste momento não temos nenhuma informação parcial a respeito da análise, respeitando as partes envolvidas e o parecer da análise técnica”.

Anúncios

 

 

 

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Tive esse mesmo diagnóstico a 6 anos atrás e como essa mãe relatou irônica falou que meu filho era inviável por eu estar de 28 semanas e que faltava muito pra nascer e que o líquido era urina… Esse médico ainda atende no hospital. Lamentável