Nossas Noticias

Polícia Civil prende homem acusado de engravidar a própria filha em São Bento do Sul

Anúncios SÃO BENTO DO SUL. Nesta terça-feira (07), a Polícia Civil por intermédio da DPCAMI (Delegacia de Proteção à Criança, Adolescente, Mulher e Idoso), com apoio da DIC (Divisão de Investigação Criminal) de São Bento do Sul e de policiais civis de Papanduva, deram cumprimento ao mandado de prisão preventiva expedido em desfavor de um homem investigado por abusar sexualmente da filha adolescente.

Continua depois do anúncio
As investigações deram início depois de denúncia anônima que descrevia que o provável pai da criança que a adolescente, hoje com dezessete anos, estava esperando, era seu próprio pai.
Continua depois do anúncio
A adolescente deu à luz no início do ano, porém não contou para ninguém sobre a paternidade da criança. Posteriormente, e depois da Justiça afastá-la do suspeito, resolveu contar que o pai de seu filho era sim o seu próprio pai e que os abusos iniciaram quando tinha quatorze anos.
Continua depois do anúncio
  Relatou também que após descobrir que estava grávida, o suspeito a obrigou a ingerir conhaque com algumas ervas no intuito de provocar o aborto.
Continua depois do anúncio
A investigação foi concluída onde o Delegado de Polícia representou pela prisão do indiciado, pedido este prontamente aceito pela Justiça.
Continua depois do anúncio
Desde a expedição do mandado de prisão (12/04/2019), a equipe desta Unidade passou a procurar o suspeito, sendo realizadas inúmeras diligências, inclusive no Paraná.
Continua depois do anúncio
Na segunda-feira (07), no interior da cidade de Papanduva (SC), em meio às plantações de fumo, o suspeito fora localizado. Já nesta Unidade de Polícia Judiciária foi interrogado e se manteve em silêncio, na oportunidade foi colhido material biológico para exame de DNA junto ao IGP.
Continua depois do anúncio
O homem foi encaminhado ao Presídio Regional de Mafra, onde permanecerá à disposição do Poder Judiciário. * O nome dos envolvidos e nem o bairro em que aconteceram os abusos não foram divulgados para preservar a identidade da vítima, conforme o que prevê o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).  ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram