Nossas Noticias

Um dos 14 Grandes Mestres do Xadrez no Brasil, Everaldo Matsuura jogou em Rio Negrinho neste final de semana e conversou com a reportagem do Nossas Notícias

Um dos grandes nomes do xadrez no país, Everaldo Matsuura esteve em Rio Negrinho neste fim de semana quando participou do Campeonato Catarinense 66° Absoluto e 34° Feminino, sendo um dos grandes destaques da competição e campeão absoluto representando o Xadrez de Timbó (SC). Leia mais sobre a competição na cidade clicando aqui. Ele conversou com a reportagem do Nossas Notícias, contando sobre sua trajetória no xadrez e deixando uma mensagem bem especial aos nossos seguidores. Confira!


Nossas Notícias – Aos 50 anos, você é uma das grandes referências do xadrez no Brasil. Por que começou a jogar xadrez e que idade tinha quando começou a praticar o esporte?


Everaldo – Meu pai era um amante do xadrez e me ensinou. Meus dois irmãos mais velhos também jogavam xadrez de competição e  ambos foram campeões paranaenses. Então, foi no ambiente familiar que aprendi a jogar, já aos 5 anos de idade.


Nossas Notícias – O que é ser um Grande Mestre em xadrez exatamente?


Everaldo – Grande mestre é a graduação máxima da Federação Internacional de Xadrez. No Brasil temos atualmente 14.


Nossas Notícias – Como foi representar o Brasil nas Olimpíadas de Xadrez ? Em que ano foi e qual foi sua colocação final?


Everaldo – Foi uma felicidade enorme, mas também uma decepção pelo mau desempenho que tive nas duas vezes que participei. A primeira foi em 1998 na Rússia e a segunda em 2002 na Eslovênia.Nossa equipe ficou em 48° e 35° lugar, respectivamente.


Nossas Notícias – Qual foi o jogo mais difícil que você participou, que levou mais tempo para você vencer?


Everaldo – Difícil recordar a vitória mais longa em tempo. Mas a partida mais longa que joguei terminou empatada: foi em 1982 contra, o paranaense Jonel Iurk e levou um pouco mais de 7 horas. Vale lembrar que naquela época havia muito mais tempo para pensar e as partidas ,após 5 horas, eram interrompidas e continuadas no dia seguinte. Atualmente dificilmente uma partida oficial leva mais do que 4 horas.


Nossas Notícias – Como foi participar do evento aqui em Rio Negrinho?


Everaldo – Fiquei feliz de ter participado, pois desde o início da pandemia os torneios foram quase todos paralisados e para quem ama competir essa abstinência é “cruel”.


Nossas Notícias – É possível viver profissionalmente como enxadrista?


Everaldo – Na verdade, as condições gerais das competições em termos financeiros caíram bastante na última década no Brasil e atualmente quase todos os profissionais de xadrez desenvolvem atividades que envolvem aulas, conteúdo na internet (youtubers), organização de eventos e afins. Ou seja, piorou muito para quem gostaria de se dedicar integralmente as competições e , por outro lado melhorou para quem trabalha nesses outros ramos da atividade enxadrítica. Claro que esse fato reflete muito negativamente nos resultados dos nossos melhores enxadristas quando comparados a outros países cujas condições são mais propícias. Mesmo assim tivemos boas participações de brasileiros (que representam SC) na Copa do Mundo de Xadrez que ora se realiza na Geórgia : Krikor Mekhitarian, Alexandre Fier e Júlia Alboredo. Porém, parece mais alguns casos de superação pessoal do que boas condições para o desenvolvimento de alto rendimento que temos no Brasil.


Nossas Notícias – Qual a sua mensagem para quem quer competir?


Everaldo – Motivação é tudo! Sem ela é impossível manter-se nos trilhos do processo que levará ao aprimoramento do atleta. A questão é descobrir qual é o nosso combustível para manter essa chama sempre acesa. Então: faça uma jornada interior e descubra o que de fato te faz avançar!


Nossas Notícias – E quais as lições do xadrez na sua vida, de forma geral? Bom, eu acho que todo esporte nos ensina algo para a vida rsrs, é uma opinião pessoal, não sei se você concorda. Já pratiquei boxe e corrida e mudei bastante a maneira de me posicionar com relação a mim mesma e à vida. 


Everaldo – Sim! Claro, o esporte em geral é uma grande escola! Especificamente o xadrez creio que me ensinou a sopesar e equilibrar fatores concretos ( onde é possível calcular as probabilidades) e fatores abstratos ( reconhecimento de padrões e intuição ), ou seja usar o “bom senso”.Aliada a esta última questão, o aumento da capacidade de realizar analogias entre os mais variados aspectos da vida (processo associativo) provavelmente está ligado, no meu caso, ao xadrez.

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram