Nossas Noticias

“Vamos mostrar para a comunidade a verdade do que está acontecendo dentro da Câmara de Rio Negrinho”, afirma vereador Maneco sobre moção de repúdio que será apresentada na sessão da próxima segunda-feira

RIO NEGRINHO – Os vereadores Flávia Vicente (MDB), Manoel Alves Neto, o Maneco, Ineir Miguel Mittmann, o Kbelo (PSC) e Roseli Zipperer do Amaral (PSDB) protocolaram nesta sexta-feira (23), na Câmara de Vereadores, uma moção de repúdio tendo em vista a conduta recente do presidente, Arlindo André da Cruz, o Piska (PP).

No documento eles elencam a tese de quebra de decoro parlamentar, tendo em vista a prisão de Piska no último dia 10 de julho, pelos crimes de porte ilegal de arma de fogo e ameaça. Os vereadores afirmam ainda que o presidente dificulta os trabalhos e obstrui a atividade legislativa dos demais parlamentares.

Ainda de acordo com a moção, Piska estaria ferindo o Regimento Interno do legislativo, quando se negou a aceitar um requerimento verbal proposto pelos vereadores Maneco, Kbelo, Flávia e Rose, o qual pedia a instalação de uma Comissão Investigativa e Processante para apurar a conduta do presidente.

Os vereadores ainda citam o fato de que o presidente também não acatou o requerimento proposto pelos partidos políticos prevendo a instalação da comissão parlamentar. Os quatro ainda apontam a situação na qual Piska estaria ferindo a Lei Orgânica ao presidir a sessão durante a votação de matéria em que ele é parte interessada.

“Fizemos essa moção de repúdio hoje e protocolamos para ser discutida e votada na segunda-feira (25). Não podemos deixar esfriar o caso, não podemos ficar quietos”, comentou a vereadora Flávia Vicente (MDB).

“Vamos mostrar para a comunidade a verdade do que está acontecendo dentro da Câmara”, citou Manoel Alves Neto. Ainda segundo Maneco a população está cobrando atitude por parte dos vereadores com relação ao episódio. “E é isso que estamos fazendo. Afinal fomos eleitos para representar o povo”, frisou o vereador.

Relembre os fatos

O assunto envolvendo o presidente do legislativo teve sua primeira discussão na sessão do dia 12 de julho, quando Ineir Miguel Mittmann pediu a inclusão na pauta de votações de um requerimento verbal para a criação de uma CEI para apurar uma possível quebra de decoro parlamentar. Após muita discussão o pedido foi rejeitado.

Na sessão do dia 19 foi a vez dos presidentes dos partidos políticos: DEM, PSC, PSDB e MDB assinarem um ofício com a mesma finalidade da criação da comissão de investigação no legislativo. Nesta segunda tentativa, novamente o pedido acabou não sendo incluído na pauta de votações pelo presidente Arlindo André da Cruz.

Nas duas situações Piska afirmou estar amparado pelo Regimento Interno do legislativo e sugeriu que os vereadores que sentissem prejudicados deveriam procurar a justiça. Na última sessão o presidente inclusive apresentou ofício no qual afirmava que o vereador Kbelo estaria quebrando o decoro parlamentar.

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram