Nossas Noticias

Campo-alegrense supera epilepsia e enriquece literatura do município com publicação de quatro livros

CAMPO ALEGRE. Mesmo com dificuldades para escrever, Márcio Augustin, 49 anos, dedica sua vida para contar ‘causos’ dos moradores antigos de Campo Alegre, deixando um rico acervo literário às gerações futuras. Das inúmeras contadas em torno das peças do Museu Sto Lat (Museu dos 100 anos), por aqueles que vivenciaram boa parte desta centena, todas elas foram recolhidas com atenção por Márcio Augustin, 49 anos, um colecionador e guardador de memórias antigas que ali trabalhava voluntariamente desde a juventude. Com a continuidade do tempo, o Museu do Distrito de Bateias de Baixo, aos poucos, esvaziava-se de visitas antigas. Os contadores de ‘causos’ se despediam da vida, e não o frequentavam mais para dedicar um pouco de suas vivências em Campo Alegre. Talvez, partiram sem saber que os fragmentos de suas jornadas no Paraíso da Serra foram eternizadas em livros, publicados por, agora, um novo contador de histórias. ”A gente pegou um caderno e ia anotando o que os mais velhos iam contando”, completou Márcio. Antes disso, com registros memoráveis em suas mãos, escrita no caderninho para não esquecê-los, Márcio, após o contraturno na Apae de Campo Alegre, onde estudava, passava horas na biblioteca municipal aprendendo como contá-los em livros. Autodidata, o escritor superava a falta de discernimento com a literatura e a falta de habilidade nos movimentos das mãos, por ter epilepsia “devido a uma grave doença que adquiriu ainda na infância”, como conta sua irmã Márcia Regina Augustin Carvalho.“O que levou ele a superação de escrever esses livros foi a paixão e a dedicação por leitura de histórias antigas. O prazer dele é ouvir pessoas mais velhas contar histórias do tempo que ele era menino”, destacou a irmã. Perseverante, teve o apoio de sua família, que revesaram-se em escrever as histórias que ele replicava dos antigos já falecidos. Uma por uma, memórias transformaram-se em frases, que formam páginas inteiras de quatro obras literárias sobre Campo Alegre. Com o apoio do Fundo Municipal de Cultura do município, Márcio deixou para as gerações futuras uma rica coletânea bibliográfica, registradas em quatro obras: “O que já foi Bateias, um pequeno retrato do Distrito de Bateias de Baixo”; “Campo Alegre: contos e causos da nossa gente”, e “Campo Alegre nas revoluções que a história fala”. Com o objetivo de preencher ainda mais as prateleiras da biblioteca que ainda frequenta, Márcio tem mais um projeto: “Causos em torno de um fogo de chão”, que contará as histórias trazidas pelos tropeiros que passavam no município. Promoções

]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram