Nossas Noticias

Volta às aulas nas escolas estaduais: Coordenadora Regional de Educação explica detalhes da retomada

[caption id="attachment_39713" align="alignnone" width="300"] Foto: Katia de Oliveira[/caption] REGIÃO. A retomada das aulas – e todos os detalhes que envolvem esse processo – se tornou uma situação bastante esperada por professores e demais profissionais de educação bem como da parte de pais e alunos. Afinal, todo o padrão seguido há vários anos acabou interrompido pela pandemia, que levou todo o modelo de educação à mudanças significativas. Em 2020, as aulas costumeiramente presenciais foram substituídas pelos encontros remotos, atividades em casa e Google Meet, Google Classroom, vídeo aula e demais nomenclaturas e sistemas nunca estiverem tão próximos de professores, alunos e pais. Mas já no início deste 2021, o governo do estado anunciou o retorno das aulas da rede catarinense e mais precisamente ontem (26), a Secretaria Estadual de Educação repassou detalhes desse retorno para mais de 2,5 mil profissionais vinculados à gestão escolar da rede. O encontro, naturalmente, ocorreu de forma virtual mas logo que a reunião acabou, nossa reportagem foi recebida por Leda Carina Munhoz Odia, Coordenadora Regional de Educação. O encontro ocorreu na sede da instituição em São Bento do Sul e na ocasião ela explicou detalhes sobre a retomada, prevista para o próximo 18 de fevereiro. Leda destacou que haverá três modelos de aula, mas independente de cada um deles, as aulas serão retomadas ao mesmo tempo, para todos os alunos e não de forma escalonada, como previsto num primeiro momento no ano passado. Três modelos de aulas 

  • 100% presencial
Será aplicado nas escolas que dispuserem de salas com infraestrutura adequada para realizar o distanciamento de 1,5 metro exigido entre as carteiras dos alunos. “A Escola Engelberto Grossl será a única escola dos três municípios ( São Bento do Sul, Rio Negrinho e Campo Alegre ) que vai ter essa opção. Isso porque tem estrutura física adequada e principalmente porque as turmas são pequenas; de 10, 15 alunos. Então eles poderão ter aulas presenciais todos os dias, quatro horas por dia, normalmente. A não ser que a Matriz de Risco passe para o nível gravíssimo ( vermelho ). Nesse caso, haverá redução de atendimento, que passará a ser misto”, explicou. O mapa de risco para Covid-19 em Santa Catarina é atualizado pelo Governo do Estado toda quarta-feira e pode ser acessado neste site.
  • Modelo Misto: tempo escola e tempo casa
O segundo modelo, que conforme as previsões, incluirá a maioria dos alunos, funciona com a alternância dos grupos que frequentam a escola e dividido em dois momentos: o “Tempo Escola” e o “Tempo Casa”. O “Tempo Escola” consiste no atendimento presencial na unidade escolar, com turmas subdivididas em grupos. Já as atividades pedagógicas que compõem o “Tempo Casa” podem ser realizadas com ou sem a mediação por tecnologias digitais, com orientação para que as escolas criem dinâmicas para que estudantes sem acesso possam, sempre que possível, integrar-se às atividades em espaços disponibilizados na unidade. O atendimento presencial nesse modelo se dará de duas a três vezes por semana nos Anos Iniciais e semanalmente nos Anos Finais e Ensino Médio. Esse atendimento continua independente do Mapa de Risco de COVID, pois vai funcionar com redução de alunos nas escolas. Como vai funcionar para alunos do 1° ao 5° ano “A ideia é dividir as turmas em dois grupos: A e B, por exemplo. O grupo A vai assistir as aulas nas segundas e terças, 4 horas por dia. Nas quarta-feiras vão fazer atividades presenciais de Artes, Educação Física e outras. Daí o grupo B vai assistir as aulas, também 4 horas por dia, nas quintas e sextas-feiras. Além disso, na quarta-feira da semana seguinte, eles farão as atividades de Artes e Educação Física, enquanto os do grupo A ficarão em casa”. Como vai funcionar para alunos do 6° ano ao 3° ano do Ensino Médio “Nessas faixas será um pouco diferente. Também vamos dividir os alunos em grupo A e grupo B. Então por exemplo, o grupo A vai ter aula em uma semana. Já na semana seguinte será o grupo B. Tudo isso de forma alternada, uma semana de aula para cada grupo”. Recomendação Nesses dois modelos, a recomendação às escolas é a organização da carga horária priorizando horários concentrados nas turmas (aulas-faixa), para evitar trocas de sala constantes. O aluno deve permanecer na sala e, se possível, a carteira deve ser marcada para que o estudante use sempre a mesma. 100% remoto/online Já o modelo 100% online, que foi aplicado ao longo de 2020, com a suspensão das aulas presenciais, continua em 2021 para os cerca de 28 mil alunos da rede estadual que, comprovadamente, fazem parte de grupo de risco para Covid-19, assim como os professores. Essa modalidade também será ofertada quando os pais optarem por manter seus filhos em atividades remotas. “Teremos adaptações, melhorias no sistema remoto oferecido no ano passado. Os alunos serão atendidos de forma remota em escolas pólos, que vão enturmar esses alunos de diferentes escolas. Elas é que vão gerenciar todo esse trabalho remoto, incluindo a contratação de professores para essas turmas. Porém, as notas e matrículas desses alunos, por exemplo, serão gerenciadas nas escolas em que estão matriculados. Ou seja, o processo pedagógico será na escola pólo”. Leda enfatizou que para organizar o processo, os diretores  já estão entrando em contato com os pais para fazer um levantamento e saber qual o percentual de alunos do modelo remoto. “Esse levantamento vai mostrar uma previsão da estrutura que devemos ter. E a partir desses dados vamos definir que escolas de cada uma das três cidades da região poderão ser as escolas pólos”. Os pais que determinarem o modelo remoto aos filhos precisarão assinar um termo de responsabilidade a cada 15 dias. “Mas nada impede que os pais mudem o regime de aulas dos filhos, por exemplo, para o modelo misto. Nesse caso, vão precisar assinar outro termo, confirmando a alteração e aguardar até sete dias, para que possamos acomodar esse (a) aluno (a) no novo sistema”. Para as famílias de alunos sem acesso à internet, cujos pais optem pelo ensino remoto, serão disponibilizados os materiais impressos, da mesma forma que em 2020. Contratação de professores No caso de professores integrantes do grupo de risco, haverá duas possibilidades. Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental ( até o 5° ano ) que se auto declararem do grupo de risco de COVID serão substituídos por professores ACT’s ( Admitidos em Caráter Temporário ). Já para professores do 6° ano ao 3° ano do Ensino Médio que se auto declararem do grupo de risco de COVID vão lecionar suas respectivas disciplinas de forma remota, inclusive para alunos do modelo presencial. “Queremos que antes de optar por um modelo, os pais possam conhecer cada um deles detalhadamente” A coordenadora salientou que nessa semana será organizado um trabalho de contato com as comunidades, onde cada um dos modelos será apresentado detalhadamente, com o objetivo de auxiliar a escolha dos pais. “Na sequência vamos fazer o levantamento de alunos e de cada modelo, de professores para cada modelo e de muitos detalhes, incluindo a  adequação do PLANCON ( Plano de Contingência ),  que foi construído no ano passado, para um modelo diferente desse atual”. Segurança nas escolas e trabalho com os alunos  “As escolas serão adaptadas com álcool, aferição de temperatura, máscaras,… O primeiro passo nesse retorno será um treinamento desses alunos para que tenhamos essa segurança. Nós, enquanto professores, teremos que primeiro fazer essa conscientização com eles, de forma que esteja atrelada ao processo pedagógico, sem ser um processo à parte. É um  trabalho que será feito com alunos de todas as idades. Vale lembrar que também haverá uma  adequação física das escolas, dos refeitórios,… Os recreios, inclusive, não serão no mesmo horário. Vai ter vários recreios num mesmo turno. É uma dinâmica bem complexa”. Preparação dos professores Leda também relatou que os cerca de 2 mil professores da rede estadual retornam das férias no dia 3 de fevereiro e até o dia 12 vão receber capacitação para fazer a retomada. “A gente sabe que houve muitas lacunas de aprendizagem no ano que passou. E vamos fazer uma revisão desses processos, nesse novo formato. Para o professor também será uma nova adaptação”.  As 17 escolas estaduais dos três municípios somam cerca de 9 mil alunos. Avaliação A coordenadora destacou que entende que apesar de todos os desafios enfrentados pelos profissionais de educação e pelo setor como um todo, houve um ganho muito significativo em 2020. “Avançamos dez anos no que se refere ao domínio da tecnologia por parte dos professores. Também houve evolução nos  planejamentos de aula e organização dos diários de classe. Diante de todas as dificuldades do ano que passou, posso garantir que nossos professores deram show. Nos alegra saber também que o professor vai voltar diferente para a escola. De forma positiva, claro”. Transporte e alimentação escolar De acordo com as informações oficiais do governo do estado, a previsão da SED é que 20% do total de estudantes da rede utilizem o transporte escolar. A gestão das escolas, em conjunto com a rede municipal, deve organizar o roteiro de circulação dos veículos para atender os modelos pedagógicos que estarão vigentes. A orientação é priorizar os agrupamentos de alunos presenciais por proximidade. No caso da alimentação escolar, a SED manterá a entrega dos kits de alimentação escolar aos alunos, mesmo para aqueles que retornem às atividades presenciais em quaisquer dos dois modelos. O serviço de bufê, existente em algumas escolas em 2020, não será aplicado em nenhuma unidade, atendendo às recomendações sanitárias. No caso de atendimento presencial, a refeição será preparada e entregue por profissional da empresa responsável por esse serviço. Orientações para servidores Os servidores que integram o grupo de risco devem preencher uma autodeclaração para permanecer em atividades remotas. Promoções ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram