Nossas Noticias

"É a mulher que vai decidir as eleições aqui em Rio Negrinho também", destaca palestrante em evento do Democratas Mulher

RIO NEGRINHO. A participação efetiva das mulheres na política foi tema do encontro “Mulheres que transformam”, que aconteceu na tarde dia 17 na sede do Lions Clube Rio Negrinho, no centro da cidade. O local foi utilizado pelo Democratas Mulher de Rio Negrinho e filiados, simpatizantes e convidados assistiram à palestra da professora e doutora Lisiane Tuon, do Democratas Mulher de Santa Catarina. Lisiane, além de um destacado curriculum acadêmico, foi candidata a deputada estadual nas eleições de 2018 e começou falando a sua primeira experiência na política. “Na campanha sofri bastante com o preconceito. Porque quando se deparam com uma candidata, muitas pessoas pensam que é uma mulher que foi colocada na disputa apenas para puxar voto, para ser ‘laranja’. Infelizmente essa ainda é uma realidade”. Com a experiência profissional de liderança em muitos projetos acadêmicos de sucesso, a experiência da campanha política, a experiência pessoal e apoio de lideranças do Democratas em nível estadual e nacional, Lisiane agora trabalha em um projeto não menos ambicioso, no melhor sentido da palavra: ela está articulando mulheres de todo o estado, com o objetivo de ajudá-las a romper as muitas barreiras do preconceito e se lançarem candidatas a vereadoras, prefeitas ou vice prefeitas nas eleições de 2020.

AUXILIAR CANDIDATAS NAS ELEIÇÕES DE 2020

Continua depois do anúncio 
A ideia, segundo ela, é auxiliar as mulheres a estruturar suas campanhas e acompanhá-las durante e depois do pleito. Lisiane destacou que a participação da mulher na política é uma pauta que precisa ser discutida com urgência haja vista que o público feminino é maioria em muitas cidades do Brasil, incluindo Rio Negrinho e região e o estado de Santa Catarina. “São as mulheres que, sendo maioria, podem decidir uma eleição. Aqui em Rio Negrinho não é diferente. As mulheres representam 50,59% do eleitorado, são 15.933 eleitoras, conforme a Justiça Eleitoral. Elas tem a força do voto e precisam ocupar seu espaço também no campo da política. Está na hora de mudar essa realidade onde apesar de maioria do eleitorado,não tem representatividade”. MULHERES MAIORIA DO ELEITORADO EM RIO NEGRINHO PELO MENOS DESDE 2014
Continua depois do anúncio 
Em virtude das colocações de Lisiane, a reportagem do Nossas Notícias fez uma pesquisa no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) De acordo com os dados divulgados, as mulheres são a maioria do eleitorado na cidade pelo menos desde 2014. Confira:

Eleitores em Rio Negrinho 

Continua depois do anúncio 
2014 Homens: 15.843 (49,69%) Mulheres: 16.038 (50.31%) 2016 Homens: 15.749 (49,47%) Mulheres: 16.089 (50,53%) 2018 Homens: 15.559 (49,4%) Mulheres:15.933 (50,60%)

EQUILÍBRIO ENTRE GÊNEROS

Continua depois do anúncio 
Ela também disse que não é feminista no sentido extremo mas acredita que é preciso haver um equilíbrio entre os gêneros. “A sociedade está muito avançada em diversos setores mas ao mesmo tempo está atrasada quando se fala na participação da mulher na política. Precisamos de avanços nessa área também. Estudos revelam que as mulheres são maioria das aprovadas em concursos públicos, por exemplo. Mas dentro dos órgãos públicos, quando se trata de ocupar cargos de liderança, elas são minoria. É preciso um equilíbrio nessa conta”.

PORQUE MULHERES NA POLÍTICA?

Continua depois do anúncio 
A doutora evidenciou que a mulher, que além de maioria no eleitorado em grande parte das vezes, também é ainda em muitos casos a grande responsável pela casa,pela educação dos filhos, pelas compras e várias outras responsabilidades que se estendem também no meio profissional, pois ocupam grande parte dos postos de trabalho e exercendo cargos de liderança muitas vezes. “A mulher tem um papel fundamental na sociedade, em todos os setores. E é na política que se querendo ou não, acontecem as grandes decisões que incentivam diretamente nas famílias, nos lares, nas empresas. Por isso as mulheres precisam deste espaço para participar desses processos de decisão, de formação políticas públicas”.

O BRASIL HOJE

Continua depois do anúncio 
Lisiane também foi enfática ao opinar sobre o momento político e social do Brasil. “Hoje a violência virou algo corriqueiro. A gente vê desemprego, falta de perspectiva para os jovens, principalmente; a depressão, o suicídio, …tantas coisas! Mas o país, na minha opinião não está discutindo essas que são grandes pautas, que envolvem todas as mulheres direta e indiretamente”.

SOBRE O DEM EM 2020 E O TRABALHO EM RIO NEGRINHO

Continua depois do anúncio 
Ela finalizou destacando que a equipe do DEM de Santa Catarina dispõe de toda uma estrutura que está disponível também para as mulheres de Rio Negrinho que concordem com a necessidade de maior participação efetiva do público feminino na política. “Essa é uma questão que não tem nada a ver com partido, é uma causa. E vamos ficar mais fortes a medida em que mais mulheres e até mesmo homens, se engajarem efetivamente nos trabalhos para que possamos mudar essa realidade”. De acordo com as tratativas do encontro, um forte trabalho de mobilização visando a participação feminina na política deve ser desenvolvido pelo DEM também em Rio Negrinho a partir de agora. SOBRE A PALESTRANTE
Continua depois do anúncio 
Lisiane Tuon é fisioterapeuta, Doutora em Medicina e Ciências da Saúde; Professora do Programa de Pós-graduação – Mestrado em Saúde Coletiva da UNESC; Coordenadora e Tutora da Residência Multiprofissional da UNESC; e Coordenadora do Núcleo de Saúde Coletiva da UNESC. Já foi Coordenadora do Programa de Pós-graduação – Mestrado em Saúde Coletiva da UNESC; Superintendente de Serviços Especializados e Regulação da Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, onde atuou na coordenação e implantação da Rede de Urgência e Emergência, da Rede da Pessoa com Deficiência e das Centrais de Regulação por todo o Estado de Santa Catarina. Fez a implantação e coordenou do Centro Especializado em Recuperação CER/UNESC. Tem por linhas de pesquisas Gestão em Saúde; Epidemiologia; e Pessoa com Deficiência, com parceria junto a Federação das APAES do Estado de Santa Catarina. Possui dezenas de artigos publicados, livros e capítulos de livros, além de projetos de pesquisa em curso. [gallery ids="16884,16882,16881,16879"]    ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram