Nossas Noticias

"O povo de Rio Negrinho pode ficar tranquilo com relação a qualidade da água", ressaltam técnicos do SAMAE

Anúncios RIO NEGRINHO. O diretor do Samae, Gilson Reckziegel, recebeu a imprensa na manhã de hoje para falar sobre o resultado de um estudo sobre a qualidade e presença de agrotóxicos na água em 100 municípios de Santa Catarina. O estudo foi encomendado pelo Ministério Público de Santa Catarina e conforme o resultado, divulgado amplamente no estado e no país, a água fornecida à população cerca de 22 cidades catarinenses apresentava índices de contaminação por agrotóxicos, sendo Rio Negrinho uma delas.

Continua depois do anúncio
Na sede do Samae, Reckziegel, juntamente com os engenheiros Hugo Binder e Ricardo Meyer, engenheiro que presta consultoria ao Samae, tranquilizou a população sobre a questão. “Toda a comunidade pode ficar tranquila. A água do Samae é de excelente qualidade”. Segundo os técnicos, o resultado do estudo é verdadeiro, mas “é preciso explicar os dados corretamente para que ninguém ache que está consumindo uma água fora do padrão ou que seja danosa à saúde”. Enfoque equivocado
Continua depois do anúncio
Para Hugo Binder, o enfoque do resultado de estudo foi equivocado. “Quiseram criar uma polêmica”, comentou. Porém, conforme ele, o fato acabou sendo positivo. “De 204 análises sobre a presença de agrotóxicos e substâncias nocivas, a água de Rio Negrinho apresentou índices em 4. Em outras 200 não teve nada. E nas quatro análises que detectaram presença de substâncias, essas eram em quantidades mínimas, bem abaixo do que permite a legislação”. Os técnicos ressaltaram também que as substâncias encontradas tem uso permitido no Brasil, conforme a própria legislação. “A Anvisa recentemente liberou a utilização de várias substâncias. Inclusive o chamado ‘Mata Mato’, muito usado em nossa região”, lembrou Reckziegel. Com relação a legislação que rege o tratamento e fornecimento de água, eles garantiram que é atualizada com regularidade, mantendo todas as normas de acordo com as mudanças tecnológicas que surgem constantemente. “Hoje, em todo o Brasil, as companhias de água seguem uma legislação atualizada em 2017 e que está passando por revisão para uma nova atualização”. Eles frisaram também que o trabalho do Samae, bem como os resultados das análises da água são supervisionados diferentes órgãos municipais, estaduais e nacionais, incluindo a Vigilância Sanitária. Em função de toda a celeuma em torno da questão, Reckziegel finalizou informando que o Samae disponibilizará em seu site e em sua página no Facebook todas os laudos relativos ao estudo encomendado pelo Ministério Público.
Anúncios
 ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram