Nossas Noticias

Rionegrinhenses conquistam quase 5 mil alunos no Brasil e em Portugal com escola de música pela internet

Na foto, Flavio, que mora no Canadá; no meio Alessandro, que mora em Cuiabá (MT) e na ponta, de camiseta branca, Leandro, que mora em Rio Negrinho (SC)
RIO NEGRINHO. Eles são irmãos e juntamente com os demais familiares compartilham a música como paixão. E foi essa paixão que em março de 2016 levou Leandro, Flávio e Alessandro Araújo a pensarem em formar uma plataforma que possibilitasse, o ensino da música através da internet, de forma acessível e abrangente. E para isso, nada melhor que a internet. Surgia então, o embrião da Polifono. A proposta foi testada em várias fases até alcançar 4,5 mil alunos no Brasil e em Portugal. Nesta semana a reportagem conversou com os irmãos Araújo e na matéria que segue você confere o passo a passo para o sucesso da Polifono e os projetos de seus idealizadores para o crescimento deste empreendimento que foi premiado pelo Governo do Estado do Mato Grosso através da Secretaria de Educação, Secretaria de Cultura e Sebrae. Os primeiros passos “Comecei a desenvolver o sistema e o Leandro,o conteúdo das aulas. Em julho tínhamos o primeiro produto, o curso de flauta doce, que foi apresentado e executado pela professora Rosane (Artes) na Escola Ricardo Hoffmann, em Rio Negrinho”, contou Flávio, que é programador, publicitário e mora no Canadá.  Uma vez implantado, o sistema foi acompanhado por Leandro, professor de música formado pela Escola de Belas Artes do Paraná. Ele foi o tutor do projeto na escola e até hoje comemora aquele que foi o primeiro resultado. “O curso da Polifono provou que nosso método era muito eficaz, uma vez que as aulas foram ministradas por uma professora que até então era leiga em música. No final do primeiro ano das aulas, ela até levou os alunos para uma apresentação no Natal Encantado”. Leandro destacou também que uma das propostas da Polifono é ser mais que uma escola de música,o que a experiência na Escola Ricardo Hoffmann também comprovou ser possível. “Nosso sistema pode ser aplicado em escolas e também para pessoas físicas. Nas escolas, a proposta é que o ensino da música se torne acessível a 100% dos alunos, como aconteceu nesta primeira experiência”. O segundo passo importante Depois disso,outra oportunidade – muito bem aproveitada pelos irmãos Araújo – veio a ser o segundo passo importante na trajetória da novata Polifono. “Cadastrei a Polifono em um projeto de pré aceleração de negócios criativos do governo do estado do Mato Grosso. Eram 250 inscritos, nos classificamos entre as 20 melhores oportunidades de negócios e fomos chamados para participar de um programa através do qual recebemos consultorias com especialistas renomados, passamos por análises, testes de produtos e vários processos que lapidaram este nosso diamante. No final alcançamos o primeiro lugar dentre todos os participantes”, contou Alessandro, que mora em Cuiabá (MT).  Ele enfatizou que com isso a Polifono também foi incubada  no escritório de inovação tecnológica da Universidade Federal do Mato Grosso (UFMG). Os próximos passos Os músicos destacaram que a Polifono, entre outras coisas é uma escola de música on line, para quem quer aprender música sem precisar sair de casa. No momento, os cursos disponíveis são flauta doce e violão. Mas a ideia, claro, é aumentar a oferta com a inclusão do ensino de outros instrumentos e técnicas. “O que queremos é expandir os negócios. Criar mais cursos,  inclusive com aulas de instrumentos utilizados em fanfarras. Queremos  chegar nas escolas públicas e privadas e em todas as pessoas que tenham o desejo de aprender música”, disse Flávio. Cursos de qualidade por R$ 1,00 a aula Quando questionados sobre o que é a Polifono, os irmãos Araújo fizeram questão de esclarecer que a escola tem um  caráter social muito arraigado e expressivo, que vem da vontade de coletivizar o ensino da música, tornando este aprendizado disponível para todo mundo, sem exceção. Com um trabalho embasado nos pilares da eficiência, simplicidade e custo baixo, eles adiantaram que a qualidade é o princípio que faz toda a diferença neste tripé. “Por isso,porque disponibilizamos cursos de qualidade, a inclusão de novas aulas ainda deve demorar um pouco já que  todo o processo de fazer o conteúdo do módulo, gravar, colocar em um programa é bastante demorado. São 100, 200, 300 aulas”, detalharam. Aulas para o aluno sair tocando um instrumento O conteúdo das aulas vai do mais elementar até o mais avançado e tem o objetivo de fazer com que os alunos concluam a formação tocando, de fato, o instrumento pretendido. Tornar Rio Negrinho a primeira cidade do Brasil a ter música na escola para 100% dos alunos A Polifono conquistou através da internet quase 5 mil alunos e como enfatizaram os irmãos a proposta é, passo a passo, “alcançar todo o mundo” com a proposta diferenciada de ensino musical. Mas o trio tem um desejo pessoal: tornar a cidade natal, Rio Negrinho, a primeira cidade do Brasil a disponibilizar aulas de música para 100% dos alunos da rede municipal. “Já fizemos vários contatos com representantes do setor educacional de Rio Negrinho e de outros municípios do país. Temos um sistema que comprovadamente permite essa conquista e queremos, sem dúvidas, implantá-lo no maior número de cidades. Mas gostaríamos que a primeira fosse a nossa”, citou Leandro.  Os Araújo finalizaram declarando que esta vontade é uma forma de agradecer a formação musical que lhes foi possibilitada na cidade. “Em Rio Negrinho a gente teve a oportunidade de ter uma formação musical sem sermos de uma família rica ou de posses. Por isso temos essa vontade de levar a inclusão sócio cultural a todos os que desejam aprender música, independente da idade ou condição social. Por isso fazemos questão de dizer sempre que a Polifono é também um empreendimento social”.  Saiba mais Para saber outros detalhes do projeto e contatar os proprietários da empresa acesse: http://www.polifono.com            ]]>

Parceiros

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on telegram
Telegram